Como fotografar contra a luz do sol

 

Fotografar em dias de sol não é tarefa simples. Domar a intensidade da luz e as sombras fortes provocadas pela exposição direta do sol exigem certas artimanhas e noções básicas de técnica para registrar paisagens e retratos da forma desejada, sem o aspecto de foto ‘estourada’ (de luz).

“A claridade excessiva prejudica o resultado da imagem. O ideal é observar a posição do sol e procurar mantê-lo atrás de quem fizer o clique e de frente para o fotografado”, ensina o fotógrafo Guilherme Lara Campos. Se não houver saída, o jeito é mesmo usar um flash fraco para eliminar sombras indesejadas da pessoa ou do objeto.

O flare, nome correto para a luz que rebate na câmera criando uma espécie de bolhas coloridas, é questão de gosto para os amadores. “Não deve ser usado em qualquer tipo de trabalho profissional, mas pode ser uma opção interessante numa situação romântica ou num editorial de moda”. No caso dos modelos profissionais, um acessório chamado para-sol é acoplado para evitar o efeito; nas digitais pessoais, a solução é mesmo mudar o ângulo. “A fonte de luminosidade não deve estar na direção da lente da câmera ou numa área lateral. Uma folha de cartolina ou uma placa de isopor também ajudam a criar uma barreira”, acrescenta.

Acessório muito utilizado pelos profissionais é o rebatedor. “Em vez da luz direta, ela é rebatida antes numa superfície adequada para projetar essa luminosidade com intensidade controlada”, esclarece. Pode-se utilizar um flash, uma lâmpada ou até mesmo o sol para o rebatedor, que já estará posicionado na direção do que quer se iluminar.

Outro problema são as situações de contraluz. Para impedi-la, a saída é fugir de qualquer fonte emissora ou refletora de luminosidade atrás do assunto a ser registrado, bem de frente para as lentes. “A máquina pode se confundir ao fazer a leitura da luz alta e refazer os ajustes, gerando um contraluz”, explica Guilherme.

Se a intenção for ressaltar o perfil ou a silhueta, o efeito é bem-vindo. “Dá um ar artístico na foto quando o tema fotografado fica totalmente escuro e o fundo, com luminosidade equilibrada”, diz. Exemplo disso é a foto acima do texto, feitas por Guilherme – o perfil de Pelé, inclusive, foi vencedora do prêmio de melhor foto do ano da Associação de Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Estado de São Paulo (ARFOC-SP) em 2010.

O flash sob o sol pode ser muito útil quando o fundo está mais iluminado que o primeiro plano. “Se alguém estiver sob a sombra de uma árvore ou de um guarda-sol, existem duas possibilidades sem o flash: ou o fundo fica claro demais ou a pessoa fica na penumbra”, afirma o fotógrafo Edu Cesar. O dispositivo, então, atuaria como luz de preenchimento, iluminando o que está na sombra e deixando o fundo mais exposto. “Se o aparelho permitir, é interessante tentar regular a intensidade do flash, porque mais luz pode estourar a imagem, deixando-a clara demais”, garante Guilherme.

Uma dica é explorar todas os ângulos, principalmente quando o que está sendo fotografado puder se mover. Muito cuidado, porém, para não apontar as lentes diretamente para o sol, sobretudo ao meio-dia: as chances de danificar o sensor são grandes.

Para evitar que a própria sombra faça parte da foto, existem duas escolhas: trocar a posição, mudando a maneira como ela se projeta no chão ou usar o zoom para retirá-la do enquadramento. Também não existe horário apropriado para sair com a câmera nas mãos. “Todos eles são ótimos e oferecem oportunidades únicas”, lembra. “Mas o momento do lusco-fusco sempre chama a atenção dos fotógrafos: o fim de tarde bem na transição entre o dia e a noite, com meia claridade, permite fotos com cores fortes”, admite.

Quanto maior o ISO, maior a sensibilidade para a luz – por outro lado, maior a quantidade de ruído. “É preferível escolher um número baixo, por volta de 50, 100 ou 200. Apesar de o ‘chuvisco’ ser maior, pode ser suficiente para não apelar para o flash.

  • heider spindola

    ola… há alguns equivocos na materia: sobre a foto na sombra contra fundo iluminado pelo “sol” não é preciso regular a itencidade do flash, isso é coisa do passado existe um programa no flash TTL que coloca a luz que falta em relação a area medida pela maquina. E sobre a foto para não sair a smbra do fotografo na imagem, se voce fotografar com ZOOM, o fundo vai ficar desfocado, mesmo com o diafragma bem fechado, o certo é uma lente na regulagem media e se afastar do objeto a ser fotografado… pronto esse foi … HEIDER SPINDOLA